logo IMeN

Grupo de Educação Nutricional e Redução de Fatores de Risco para Doenças Cardiovasculares

INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM GRUPO E SEU IMPACTO NA REDUÇÃO DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES.


Priscila Moreira
Nutricionista do Ambulatório de Nutrição Clínica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.
Cristiane Kovacs
Nutricionista Chefe do Ambulatório de Nutrição Clínica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.
Monica Romualdo
Nutricionista do Ambulatório de Nutrição Clínica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.
Fernanda Cassullo
Nutricionista do Ambulatório de Nutrição Clínica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.
Dr. Daniel Magnoni
Diretor de Nutrição do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.

A atenção em grupo tem por finalidade promover um ambiente de aprendizado e troca de experiências capazes de fortalecer o vínculo profissional de saúde-paciente, mobilizando os indivíduos para a busca de autonomia, elevando a auto-estima e diminuindo a vulnerabilidade, além de contribuir para a proteção e controle de doenças.
O objetivo do estudo foi avaliar a evolução do estado nutricional e da medida de circunferência abdominal com o intuito de reduzir fatores de risco para DCVs em pacientes que participaram do atendimento nutricional em grupo em um Instituto de Cardiologia de São Paulo.
Tratou-se de um estudo do tipo transversal retrospectivo de 412 pacientes adultos com excesso de peso de ambos os sexos, atendidos durante 3 meses no Grupo de Educação Nutricional, entre os meses de julho de 2007 e abril de 2009. A análise estatística foi realizada utilizando a ANOVA não-paramétrica de dados ordinais com medidas repetidas, para avaliação das diferenças entres as variáveis: Peso, Índice de Massa Corpórea (IMC) e Circunferência Abdominal (CA), distribuídas por sexo ao longo do tempo.
Com relação ao peso e ao IMC, a redução mostrou-se significante do início do programa para o primeiro retorno (p<0,0000) e do primeiro retorno para o segundo retorno (p<0,0000), mas do segundo retorno para o terceiro não houve redução significante (p<0,1). Com relação a redução da circunferência abdominal, observou-se que entre os homens, a redução da CA inicial para o primeiro retorno e do segundo para o terceiro retorno não mostrou-se significante (p<0,1180 e p<0,1796), já do primeiro para o segundo retorno houve significância (p<0,0000). Entre as mulheres a redução da CA mostrou-se significante do início do programa para o primeiro retorno e do primeiro para o segundo retorno (p<0,0000), já do segundo para o terceiro retorno, a redução não mostrou-se significante (p<0,5693).
Os resultados foram positivos tanto para redução de peso, quanto  para redução de CA. A evolução da perda de peso e da redução da CA ao longo do estudo mostrou a importância da continuidade do programa proposto como ferramenta para mudanças no estilo de vida da população estudada e redução de fatores de risco para DCVs.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. Castro LCV, Franceshini, Priore SE, Pelúzio MCP.  Nutrição e Doenças  Cardiovasculares: Marcadores de risco em adultos. Rev. de Nutr. 2004, vol. 17 (n3): p. 369-377.
  2. Tucunduva S. Pirâmide dos alimentos: fundamentos da Nutrição: O papel dos óleos e gorduras na alimentação. 1º ed. Barueri: Manole; 2008; p. 275-81. 
  3. Costa RP. Dislipidemias. In: Magnoni D. Perguntas e respostas em Nutrição Clínica. 1º ed. São Paulo: Roca; 2001; p. 287-7.
  4. Jacintho TM, Pesquisador da equipe de Metabologia e Nutrição em Cirurgia (Metanutri – LIM35 -Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da USP [FMUSP] -), Mestre em Ciências pela FMUSP e biólogo pela Universidade de Mogi das Cruzes.
  5. Mello E, Luft V, Meyer F. Atendimento ambulatorial individualizado versus programa de educação em grupo: qual oferece mais mudança de hábitos alimentares e de atividade física em crianças obesas? Soc. Brás. Pediatria. 2004; 468-474.
  6. Santos C, Portella E, Ávila S, Soareas E. Fatores dietéticos na prevenção e tratamento de comorbidades associadas à síndrome metabólica. Rev. Nutr., Campinas. 2006; 19(3):389-401.
  7. Santiago RS, Machado FMS. Os benefícios do consumo de alimentos funcionais. In:Torres EAFS. Alimentos em Questão. Vol.II. São Paulo: Ponto Critico; 2006; p. 75-5
  8. Francischi et al. Obesidade: atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev. Nutr; Campinas. 2000; 13:17-28.
  9. Bassler C, Lei D. Diagnóstico e monitoramento da situação nutricional da população idosa em município da região metropolitana de Curitiba (PR). Rev. Nutr., Campinas. 2008; 21(3):311-321.
  10. Santos L. Educação alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis. Rev. Nutr., Campinas.2005; 18(5):681-692
  11. Assis M, Nahas M. Aspectos motivacionais em programas de Mudança de comportamento alimentar. Rev. Nutr., Campinas. 1999; 12(1): 33-41.
  12. Grupo de Estudio Sobre Dieta, Nutrición Y Prevención de Enfermedades no Trasmisibles, Ginebra, 1989. Informe. Ginebra, Organización Mundial de la Salud, 1990. (OMS - Série de Informes Técnicos, 797).
  13. Zimerman DE, Osório LC, organizadores. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.
  14. Sposito CA e cols; IV Diretriz Brasileira Sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2007; 88.
  15. Magnoni D, Stefanuto A, Kovacs C; Nutrição Ambulatorial em Cardiologia. Em Oliveira CL e Brasioli M; Avaliação Nutricional e Antropométrica. Sarvier; 2007. P01-21.
  16. Philippi ST et al; Pirâmide Alimentar Adaptada: Guia para Escolha dos Alimentos. Rev. Nutr. 1999; 12(1): 65-80.
  17. Halliday D, Resnick R e Walker J, Fundamentos de Física III - Eletromagnetismo (Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., Rio de Janeiro, 1996), 3a ed.
  18. Cervato  AM  et al. Educação nutricional para adultos e idosos: uma experiência positiva em Universidade Aberta para a Terceira Idade. Rev. Nutr.2005; 18:41-52.
  19. Barbato e cols. Efeitos da Redução de Peso Superior a 5% nos Perfis Hemodinâmico, Metabólico e Neuroendócrino de Obesos Grau I. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2006; Volume 87, Nº 1
  20. Jardim PCBV et al. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arq. Bras. Cardiol.2007; 88: 452-457.
  21. Monteiro  RCA, Riether PTA,  Burini RC. Efeito de um programa misto de intervenção nutricional e exercício físico sobre a composição corporal e os hábitos alimentares de mulheres obesas em climatério. Rev. Nutr. 2004;17:479-489.
  22. Assis M, Pacheco LC, Menezes IS. Repercussões de uma experiência de promoção da saúde no envelhecimento: análise preliminar a partir das percepções dos idosos. [periódico online] Textos  Revista de Nutrição Rev. Nutr., Campinas, 2005;18(1):41-52.
  23. Caetano JA et al. Descrição dos fatores de risco para alterações cardiovasculares em um grupo de idosos. Texto contexto – enferm. 2008; 17: 327-335.
  24. Carneiro G et al. Influência da distribuição da gordura corporal sobre a prevalência de hipertensão arterial e outros fatores de risco cardiovascular em indivíduos obesos. Rev. Assoc. Med. Brás. 2003; 49:306-311.
  25. GRUNDY, S.M. Multifactorial causation of obesity: implications for prevention. American Journal of Clinical Nutrition. 1998; 67: 563S-572S.

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • administracao@nutricaoclinica.com.br