logo IMeN

Soja e Doença cardiovascular - Evidências Clínicas

 

Soja e doença cardiovascular - Evidências clínicas


Nutricionista Michele Caroline de Costa Trindade

Dr.Daniel Magnoni


As doenças cardiovasculares são responsáveis por cerca de 20% das mortes em todo o mundo. Inúmeras pesquisas mostram a preocupação pela busca por alimentos saudáveis ricos em componentes ativos com a capacidade de prevenir e até mesmo controlar doenças.

Os efeitos protetores da soja e seus derivados sobre a doença cardiovascular são manifestados através das alterações lipídicas, efeitos vasculares, resistência insulínica e progressão da placa de aterosclerose.

 A soja e seus derivados protéicos são considerados alimentos funcionais, pois oferecem benefícios à saúde que vão além da nutrição básica. De acordo com a Portaria 398, de 30 de abril de 1999, da ANVISA o termo alimento funcional é definido como "todo aquele alimento ou ingrediente que, além das funções nutricionais básicas, quando consumido como parte de uma dieta usual, produz efeitos metabólicos e ou fisiológicos benéficos à saúde, devendo ser seguro para o consumo sem supervisão médica".

A soja tem recebido atenção dos pesquisadores por se tratar de um alimento rico em proteínas de boa qualidade, possui ácidos graxos poliinsaturados e compostos fitoquímicos como:  isoflavonas, saponinas, fitatos, dentre outros. Também é uma excelente fonte de minerais como: cobre, ferro, fósforo, potássio, magnésio, manganês e vitaminas do complexo B.

Veja a tabela de composição da soja:


Minerais

Vitaminas

Fibra Alimentar *

Energia

Umidade

Proteínas

Lipídios

Carboidratos

Açucares fibras

Cinzas

Ca

P

Fe

Na

K

Mg

Zn

Cu

A

E

B1

B2

Niacina

Solúveis H20

Não Solúveis H20

Totais


Kcal

g/100g

g/100g

g/100g

mg/100g

ug/100g

u/100g

mg/100g

g/100g



417

11,0

38,0

19,0

23,0 | 4,0

5,0

240

580

9,4

1,0

1900

220

3200

980

12

1,80

0,83

0,30

2,2

1,8

15,3

17,1

* A fibra alimentar é constituída pelo teor das fibras propriamente ditas e pelo teor dos carboidratos insolúveis

Fonte: KAWAGA, 1995.


Os principais componentes bioativos da soja são:

- Aminograma: A relação arginina/lisina, maior na soja em comparação com a caseína, promoveria alguma ação protetora e de menor incremento na arteriosclerose.

- Globulinas de soja: poderiam estimular a captação de LDL-colesterol por receptores hepáticos.

- Ácido Fítico: promove quelação do ferro, cálcio, zinco e magnésio no trato gastrointestinal. Dietas com alta relação zinco/cobre estão relacionadas com hipercolesterolemia, deste modo com a ação quelante do ácido fítico ocorreria déficit de zinco e menor relação zinco/cobre.

- Inibidores de Tripsina: Os inibidores de tripsina, no caso específico da soja o chamado inibidor de Bowman-Birk, estão relacionados com o incremento na produção e eliminação da bile.

- Saponinas: atuam no incremento da eliminação de bile a nível intestinal.

- Isoflavonóides: principal fitoesteróis da soja. O caráter estrogênico é atribuído ao fato de a estrutura química de seus componentes bioativos (genisteína, gliciteína, daidzeína etc) ser parecida com o hormônio feminino, o estradiol, que se encaixa com os receptores de estrógeno. Os efeitos relacionados a essa característica hormônio-like seriam observados na maior captação hepática do LDL-colesterol, incremento na elasticidade arterial e melhora do tônus vasomotor arterial.

- Fibras: O polissacarídeo de soja poderia, em grandes quantidades, estar relacionado com a hipocolesterolemia.

- Óleo: representam 18 a 20% da composição nutricional da soja, sendo a predominância de polinsaturados (58%), seguido de monoinsaturados (23%) e saturados (15%). 


Dentre as aplicações clínicas da soja como prevenção a várias patologias, reside na prevenção às doenças cardiovasculares e às neoplasias a grande totalidade de trabalhos científicos consagrados e amplamente difundidos. Sendo assim, a FDA (Food and Drug Administration), em 1999, baseada em estudos científicos reconheceu a eficiência da ingestão diária de 25 gramas de proteínas de soja ( cerca de 60 gramas de grãos ou farinha de soja) para a redução significativa das taxas do colesterol sangüíneo total, do LDL-colesterol e, também, aumento os valores de HDL presentes no sangue, reduzindo assim os riscos de doenças cardiovasculares, como o infarto, a trombose e a aterosclerose.

O concentrado de soja contém alto teor de isoflavonóides, porém a quantidade deste componente da soja pode variar conforme região de cultivo, armazenamento e processamento industrial. A genisteína é um isoflavonóide responsável pela inibição da enzima alfa-glicosidade. O bloqueio da ação desta enzima retarda a digestão de carboidratos no trato intestinal, reduzindo a hiperglicemia pós-prandial e o nível de insulina plasmática, de forma similar a faseolamina. Além disso, a genisteína tem efeito redutor de lipídios plasmáticos (especialmente na presença de hipercolesterolemia) e pode aumentar a complacência arterial (liberação de óxido nítrico pelo endotélio). Outra provável ação das isoflavonas seria na pressão arterial, atuando na maior capacidade de reação aos tensores que exigem o dilatamento da artéria, tornando-a mais elástica e flexível, com menor propensão ao risco de infarto ou derrame. Portanto, os isoflavonóides podem prevenir doenças crônicas não-transmissíveis especialmente por reduzir glicose e lipídios plasmáticos que, por sua vez atuam como agentes protetores contra doenças coronarianas, diabetes mellitus e obesidade.

Em 1995 Anderson e colaboradores, realizaram metanálise com 38 trabalhos, verificando, em pacientes que consumiram 47g de proteína de soja por dia (contendo 100mg de isoflavonas) ao invés da proteína animal, redução significativa de colesterol total (9,3%), LDL-colesterol (12,9%) e triglicérides (10,5%).

Na doença cardiovascular, estudos indicam que dietas à base de proteína animal têm a propriedade de aumentar a concentração sanguínea de colesterol, principalmente a fração LD. Em comparação, quando a proteína de seja substitui a proteína de origem animal na dieta, a hipercolesterolemia tem maior controle. Nas décadas de 70 e 80, estudos de Sirtori e colaboradores e Descovich e colaboradores apresentaram que a substituição da proteína animal por soja era capaz de reduzir o colesterol LDL de 20 a 30% em hipercolesterolemia severa.

Numa revisão realizada pela American Heart Association pode-se obsevar que a proteína de soja diminui o colesterol em 3% quando associada a dieta com baixo teor de gordura e colesterol. Além disso, os benefícios cardiovasculares se devem ao elevado índice de gorduras polinsaturadas, fibras, vitaminas, minerais e baixo teor de gordura saturada.

Sendo assim, a AHA considera a proteína de soja como substituto ideal dos alimentos poucos saudáveis, com alto teor de gordura saturada e colesterol. Porém não existem estudos clínicos de longa duração sobre o uso prolongado de soja e a redução da incidência de eventos coronarianos.

Anderson JW, et al. Meta-analysis of the effects of soy protein intake on serum lipids. N Engl J Med. 1995; 333: 276-82.


Anthony MS, Clarkson TB, Williams JK. Effects of soy isoflavones on atherosclerosis: potential mechamisms. Am J Clin Nutr. 1998; 68(suppl):1390S-3S.


Descovich GC, et al. Multicentre sutdy of soybean protein diet for outpatient hyper-cholestorolaemic patients. Lancet. 1890; 2:709-12.


Eldridge AC, Kwolek WF. Soybean isoflavones: effect of environment and variety on composition. J Agric Food Chem. 1983;31(2):394-6.


Food and Drug Administration (FDA). Food labeling: health claims; soy protein and coronary heart disease. Federal Register. 1999; 64: 57699-733.


Jenkins D, et al. Hypocholesterolemic effect of vegetable protein in a hypocaloric diet. Atherosclerosis. 1989; 78: 99-107.


Kagawa A. Standard table of food composition in Japan. Tokyo: University of Nutrition for women, 1995. p. 104-105.


Lee DS, Lee SH. Genistein, a soy isoflavone, is a potent alpha-glucosidase inhibitor. FEBS Lett. 2001;501(1):84-6.


Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Embrapa soja. Soja na alimentação. Disponível em: http://www.cnpso.embrapa.br/soja_alimentacao/ Acessado em 02/06/2008.


Munro IC, Harwood M, Hlywka JJ, Stephen AM, Doull J, Flamm WG, et al. Soy isoflavones: a safety review. Nutr Rev. 2003;61(1):1-33.

Ren MQ, Kuhn G, Wegner J, Chen J. Isoflavones, substances with multi-biological and clinical properties. Eur J Nutr. 2001;40(4):135-46.


Sacks FM. et al. Soy protein, isoflavones, and cardiovascular health an American Heart Association science advisory for professionals from the Nutrition Committee. Circulation. 2006;113:1034-44.


Setchell KD, Brown NM, Desai P, Zimmer-Nechemias L, Wolfe BE, Brashear WT, et al. Bioavailability of pure isoflavones in healthy humans and analysis of commercial soy isoflavone supplements. J Nutr. 2001;131(4 Suppl):1362S-75S.


Sirtori CR, et al. Clinical experience with the soybean protein diet in the trearment of hypercholoesterolemia. Am J Clin Nutr. 1979; 32: 1645-58.


Sirtori CR, Lovati MR. Soy proteins and cardiovascular disease. Curr Atheroscler Rep. 2001;3(1):47-53.

Park D, Huang T, Frishman WH. Phytoestrogens as cardioprotective agents. Cardiol Rev. 2005;13(1):13-7.

Toeller M. alpha-Glucosidase inhibitors in diabetes: efficacy in NIDDM subjects. Eur J Clin Invest. 1994;24 Suppl 3:31-5.

trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • imen@nutricaoclinica.com.br