logo IMeN

Alimentação saudável - O lugar da soja

 

Alimentação saudável - Qual o lugar da soja?


Nutricionista Michele Caroline de Costa Trindade

Dr. Daniel Magnoni


A soja é uma leguminosa cultivada há séculos por povos asiáticos, enquanto que o Brasil, mesmo sendo o segundo produtor mundial, só passou a incorporá-la a alimentação nas últimas décadas. A justificativa talvez possa ser pelas dúvidas das propriedades do grão e as técnicas de preparo, por isso vem o interesse em explicitar os benefícios da soja e seus subprodutos, a fim de torná-la um alimento cada vez mais presente a alimentação da população brasileira.

A composição do grão de soja varia de acordo com as condições de plantio e a composição do solo, podendo-se obter entre 40 a 45% de proteína, 18 a 20% de lipídios, 30 a 34% de carboidratos (glicose, frutose e sacarose, fibras e os oligosacarídeos como rafinose e estaquiose) e 5% de minerais. Dentre os minerais, os mais presentes são: potássio, cálcio, magnésio, fósforo, cobre e zinco. É fonte de algumas vitaminas do complexo B, entre elas: a riboflavina e a niacina, como também em vitamina C (ácido ascórbico). Porém, é pobre em vitamina A e não contém vitaminas D e B12.

Além destes nutrientes, a soja contém a isoflavona, também chamado de fitoestrógeno, que atua na prevenção de doenças crônico-degenerativas como o câncer de mama, de cólon de útero e de próstata. Sua estrutura química é semelhante ao estrógeno (hormônio feminino) e, por isso, é uma substância capaz de aliviar os efeitos da menopausa e da tensão pré-menstrual. As propriedades estrógenas também ajudam a reduzir um outro problema causado pela deficiência hormonal: a osteoporose. Na maioria dos alimentos à base de soja, o teor de isoflavonas varia de 100 a 300 mg até 100 g.

As fibras dietéticas solúveis e insolúveis, presentes na soja contribuem para a manutenção do nível glicêmico e para a melhora da sensibilidade à insulina, e por apresentar baixo índice glicêmico é relevante na prevenção e tratamento de diabetes e obesidade.

Como componente do grão de soja, ainda temos os fitatos, conhecidos também como ácido fítico, que são compostos químicos utilizados pelas plantas para armazenar o mineral fósforo no interior de suas células. Os fitatos são considerados fatores antinutricionais, pois reduzem a biodisponibilidade no organismo de minerais como: cálcio, ferro, magnésio, manganês, cobre e zinco, principalmente. Porém, na última década, estudos demonstraram que os fitatos também atuam como potentes agentes antioxidantes (prevenindo a oxidação ou  envelhecimento das células), cumprindo assim uma função importante na redução dos riscos de inúmeras doenças crônicas e degenerativas, como alguns tipos de câncer e artrites.  O teor de fitatos na soja é da ordem de 1,5% da composição do grão, no feijão de 2,5% e nos farelos como o de trigo e o arroz é da ordem de 4,5%.

Os oligossacarídeos são outros componentes que eram criticados por induzirem a formação de gases, mas hoje estão presentes entre as substâncias prebióticas, sendo capazes de melhorar a função do cólon e exercer os efeitos benéficos nos vários tipos de câncer, nos lipídios séricos e na absorção do cálcio.

Após a avaliação da composição específica de aminoácidos e a facilidade com que é digerida e absorvida pelo organismo (Protein Digestibility Corrected Amino Acid Score - PDCAAS), a proteína de soja foi considerada como de alto valo biológico por apresentar um escore equivalente aos das fontes protéicas de origem animal de alta qualidade: a proteína do ovo e a do leite. Os valores do PDCAAS variam de próximos a 0,1 a 1,0. O valor 1,0 representa que 100% dos aminoácidos essenciais, necessários a uma criança de 2 a 5 anos, está presente na proteína em questão. A proteína de carne bovina possui PDCAAS de 0,92 enquanto a caseína, albumina e a proteína isolada de soja alcançam 1,0 e a farinha de milho possui 0,52.

Inúmeros são os estudos que comprovam a eficácia da soja e seus derivados no tratamento ou prevenção da obesidade, algumas doenças crônicas, osteoporose, síndrome do climatério e intolerância a lactose, devido a sua excelência na qualidade protéica e demais componentes. Mas quais os produtos de soja que posso e devo ser introduzir na alimentação?

Além do grão de soja temos disponíveis a farinha (kinako), o tofu (queijo de soja), o extrato solúvel ("leite"), a proteína texturizada (PTS ou "carne" de soja), óleo e o missô. Vale ressaltar que tanto a soja em grão como os produtos derivados possuem as isoflavonas e sua concentração vai depender dos processos industriais a que é submetida.

A soja, como qualquer outra leguminosa, possui fatores antinutricionais que devem ser inativados pelo calor (torra ou o cozimento). Este processo térmico não traz nenhum prejuízo às propriedades nutricionais da soja.  Cabe lembrar que a casca de soja é constituída por fibras insolúveis e pode ser consumida.

O kinako é o grão de soja torrado e moído, enquanto a farinha de soja é feita após do tratamento térmico do grão (fervura de cinco minutos e choque em água fria). As farinhas e farelos resultam da trituração dos grãos e remoção do óleo; contêm cerca de 40 a 54% de proteínas. Podem ser grosso, médio e fino. A farinha tem a mesma composição, variando apenas no tamanho da partícula. Podem ser usados no preparo de pães, bolos, bolachas, tortas salgadas e podem ser misturadas ao leite, ao iogurte, às frutas picadas, a sucos e vitaminas.

O processo de obtenção do extrato de soja os grãos selecionados previamente são moídos com água e passam por um processo de centrifugação, assim os nutrientes solúveis e parte das gorduras são extraídos. O líquido resultante é o extrato de soja, que posteriormente é submetido a tratamentos térmicos que preservam a proteína. O tofu só pode ser preparado a partir do "leite" de soja. As bebidas à base de soja adicionadas de sucos de frutas podem ser produzidas a partir de proteína isolada de soja e de sucos naturais concentrados de frutas ou então a partir de extrato ou "leite" de soja e sucos naturais concentrados de frutas.

A proteína pode ser extraída de vários modos na dependência do avanço tecnológico e no interesse dietoterápico. O concentrado protéico de soja, processado por extração alcoólica na grande totalidade, preserva a participação de carboidratos, exclui a presença de gorduras, água e possui 65% de composição protéica. A sua utilização na indústria alimentícia é amplamente difundida como "fortificante protéico" e base nutricional de alimentos liofilizados.

A proteína isolada de soja pode ser extraída do grão de soja por processos químicos ou mecânicos. Envolve o uso de temperatura, maceração e utilização de água ou álcool e possui peso seco de 90% de proteína e está inserida na produção de compostos dietéticos e dietoterápicos.

Na literatura encontram-se inúmeros trabalhos analisando as características químicas do isolado protéico de soja e relacionando-as à forma de extração protéica. Existem evidências clínicas que a extração aquosa preserva as isoflavonas, diretamente envolvidas com o fator de proteção cardiovascular atribuído à soja.

A proteína texturizada de soja (PTS) é feita a partir de farinha desengordurada de soja, por um processo chamado de extrusão termoplástica. O teor de proteínas presente na PTS é de 50% a 52%

A adoção de uma alimentação saudável mediante ao consumo da soja e seus produtos é viável principalmente pela qualidade nutricional que apresentam. Na verdade, cabe aos profissionais envolvidos com a alimentação e nutrição investir na divulgação dos benefícios da soja e de seus produtos para a saúde e qualidade de vida dos consumidores, além de orientá-los como e quando preparar estes produtos e aplicá-los no dia a dia. Essas informações, sem dúvidas, podem incentivar o consumo.


Referências:


Anderson JW, Akanji AO. Dietary fiber--an overview. Diabetes Care. 1991;14(12):1126-31.

Brennan CS. Dietary fibre, glycaemic response, and diabetes. Mol Nutr Food Res. 2005;49(6):560-70.

Iritani N, et al. Dietary soybean protein increases insulin receptor gene expression in Wistar fatty rats when dietary polyunsaturated fatty acid level is low. J Nutr. 1997;127(6):1077-83.

Aoyama T, et al. Effect of soy and milk whey protein isolates and their hydrolysates on weight reduction in genetically obese mice. Biosci Biotechnol Biochem. 2000;64(12):2594-600.
 

Erdman JW, Fordyce EJ. Soy products and the human diet. Am J Clin Nutr. 1989: 49:725-37.


Esteves EA, Monteiro JBR. Efeitos benéficos das isoflavonas de soja em doenças crônicas.  Rev Nutr. 2001; 14(1): 43-52.


Food and Drug Administration (FDA). Food labeling: health claims; soy protein and coronary heart disease. Federal Register. 1999; 64: 57699-733.


Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Embrapa soja. Soja na alimentação. Disponível em: http://www.cnpso.embrapa.br/soja_alimentacao/ Acessado em 02/06/2008.


Omoni AO, Aluko RE. Soybean foods and their benefits: potential mechanisms of action. Nutr Rev. 2005; 63(8): 272-83.


Paxton JS. Soy protein: your key to better health , phytoestrogens: the biochemistry,  physiology, and implications for human health of soy isoflavones. Am J Clin Nutri. 1998; 68 (Suppl): 13335-465.


Pires CV, et al. Qualidade nutricional e escore químico de aminoácidos de diferentes fontes protéicas.  Ciênc Tecnol Aliment. 2006; 26(1): 189-87.


Sacks FM. et al. Soy protein, isoflavones, and cardiovascular health an American Heart Association science advisory for professionals from the Nutrition Committee. Circulation. 2006;113:1034-44.


Suarez FL, et al. Gas production in human ingesting a soybean flour derived from beans naturally low in oligosaccharides. Am J Clin Nutr. 1999; 69: 135-9.


Velasquez MT, Bhathena SJ. Role of dietary soy protein in obesity. Int J Med Sci. 2007;4(2):72-82.

Bosello O, Cominacini L, Zocca I, Garbin U, Compri R, Davoli A, et al. Short- and long-term effects of hypocaloric diets containing proteins of different sources on plasma lipids and apoproteins of obese subjects. Ann Nutr Metab. 1988;32(4):206-14.


trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • imen@nutricaoclinica.com.br